Ministério da Cultura Brasil

Com áudio, vídeo e aplicativos tecnológicos, Hapax se apresenta no Circuito do Recife

Por Bruna Monteiro e Marcelo Magno

HAPAX – Série Pode (Concerto para GPS e Notebooks) – Foto: Bruna Monteiro.

Misturar áudio, vídeo, leitura, aplicativos tecnológicos, cartografia e, porque não, lixo industrial. Essa é a proposta do grupo Hapax, que se apresentou ontem (09 de novembro) no Circuito Interações Estéticas, em Recife. Eles fazem parte do chamado ‘Eixo Fixo’, um núcleo de artistas que acompanha o evento nas quatro cidades por onde o Circuito passa. A apresentação “Série Pode (Concerto para GPS e Notebooks)” contou com um aplicativo criado pelo grupo, no qual as coordenadas cartográficas do GPS estão ligadas a um som específico no banco de dados. Elas também são utilizadas em vídeo, formando pontos no mapa que, ao serem ligados, escrevem palavras. É uma explosão de sensações que envolve o espectador como um personagem.

O grupo, formado por Daniel Castanheira, Ericson Pires e Ricardo Cutz, começou esse trabalho na década de 1990, influenciados pelo movimento pós-punk e o rock industrial. Seu nome, Hapax, vem do grego, que significa ‘instante instantâneo’, e é bem assim que eles produzem. Ao chegar na cidade que vão se apresentar, fazem o mapeamento local e captam sons. Assim, cada espetáculo se torna singular, como um instante único que não se repete.

Os primeiros trabalhos do Hapax contaram com ousadia e disposição. Segundo os integrantes, trabalhavam com lixos industriais para confeccionar os instrumentos, usavam roupas específicas, maquiagem e até um esmeril para criar desenhos com fogo. Mesmo o lugar para as apresentações iniciais foi pensado. “Começamos a se apresentar na Lapa, porque é um lugar que junta a Zona Norte e Sul do Rio de Janeiro. Há 10 anos, a Lapa não era a ferveção de hoje, era mais parada, com menos movimento”, lembra Daniel Castanheira. Assim como a Lapa, que cresceu e hoje é um ponto de referência para turistas no Rio, o Hapax também cresceu crescendo e se apresenta em vários lugares do país.


Participação do Leitor


Ministério da Cultura
Secretaria de Cidadania Cultural (SCC)
SCRS 502 Sul, Lotes 8 a 12, Bloco B,
Brasília-DF CEP: 70330-520